Entrevista: Renato Ratier fala sobre os projetos futuros e a volta aos grandes festivais – music non stop

 

por Isabela Junqueira

São 50 anos de vida, aos quais exatos 25, a metade, são dedicados ao fortalecimento da música eletrônica na terra brasilis. Renato Ratier impactou, pelo menos, três gerações de almas dançantes, em um trabalho que não só perdura, mas que também é fundamental para manter a música eletrônica presente e ativa na atualidade.

Ratier, DJ e seletor, é também conhecido entre a turma pelo espírito de inimigo do fim. Com a volta das atividades que caminham para o mais próximo do “antigo normal”, os grandes festivais estão retomando as atividades pelo país e adivinha só quem já tem a presença garantida vários deles?

Festival Gop Tun

No Brasil, Ratier acaba de partitipar do DGTL e Warung Day, ambos  no último final de semana, logo depois na XXXPerience, dia 23 de abril, seguindo na Tribe, em maio, e do Rock in Rio em setembro, além de outros clubs e festivais. Lá fora, também tem turnês pelo verão europeu, passando por Barcelona, Ibiza, Berlin, Londres e Portugal.

Será que o frio na barriga ainda existe? Como um fomentador da e-music se sente ao confirmar datas assim? Ainda bate a insegurança? São incontáveis as curiosidades que batem, então nada mais justo do que uma boa entrevista. Perguntamos um pouco sobre cada um dos festivais, além de arrancarmos algumas outras novidades bem legais. Vamos ao papo?

Olá Renato, seja bem vindo ao MNS! Parabéns pelas confirmações e novos projetos, primeiramente. Já faz um tempinho desde que você não sobe em um palco do Warung, não é mesmo? Com qual sentimento subiu ao palco do Warung Day?

Renato Ratier: Sentimento de que a conexão com o público é a mesma que sempre foi, procuro entregar o meu melhor e ao mesmo tempo de saber que fui um dos fundadores  desse festival que hoje é um dos maiores e melhores festivais do Brasil. Com certeza a sensação é de prazer.

Foi uma dobradinha, né? Warung Day e DGTL! Como você se prepara para encarar uma noite assim, principalmente depois de tanto tempo em casa?

Suco verde e máscara facial hahaha. Procuro me preparar um pouco antes, e sempre entendendo quem toca antes e quem toca depois. Procuro fazer essa conexão com ambos. E procuro colocar minha personalidade no set, respeitando os artistas que estão tocando comigo.

Você se recorda da sua última apresentação em uma XXXPerience? O que diria que vai mudar da última para a próxima?

Toco na XXX a muitos anos e sou praticamente um residente e tenho muito carinho e amor pelo festival. As minhas últimas apresentações foram pós Ben Klock, Charlotte e Ana então a responsabilidade sempre foi grande e com certeza esse ano não será diferente, mas será prazeroso.

Você tem um relacionamento próximo com a Tribe e inclusive já afirmou isso anteriormente. Quer contextualizar essa relação? Como você se sentiu ao confirmar seu retorno?

Me senti super feliz, tenho muito respeito ao trabalho do amigo Du Serena e gosto muito dessa mistura de tribos.

O Rock in Rio é um marco na vida de qualquer artista, músico, banda… ainda bate o frio na barriga, Renato? Como você interpreta esse marco na sua trajetória?

Sempre é um prazer, já me apresentei no Rock in Rio tanto no Brasil como fora inúmeras vezes , mas confesso que todas as minhas apresentações sempre tem um frio na barriga. Fazer parte do rock in rio, que é um dos maiores festivais, é realmente um privilégio. Além de ser um amante da música eletrônica, também sou um amante do rock.

E em relação à turnê pelo verão europeu? Tem como adiantar alguns detalhes com a gente?

Todo ano me divido entre o verão europeu as tours começam em junho e vão até o fim da temporada. Estou com datas confirmadas em Barcelona, Ibiza, Berlin, Londres e Portugal.

Quais eventos estão te deixando mais ansioso para tocar? Algum deles será sua estreia?

Confesso que fiquei ansioso pra tocar no DGTL!

E para finalizar: depois de seis anos, vem aí seu próximo álbum! Nos conte um pouco mais sobre como está sendo esse processo, desde quando está sendo elaborado…

Está sendo preparado já a dois anos. Estamos finalizando.

Teremos collabs, remixes? Quem estará junto com você nessa e qual a previsão de lançamento?

Com toda certeza serão inúmeros que chamarei pra fazer remix e a previsão de lançamento será daqui a 4 meses.

Renato, obrigado pelo papo! Esperamos que sua turnê seja incrível, ficaremos acompanhando por aqui!

Agradeço pela atenção e pelas energias boas. Vejo vocês na pista.

We would like to thank the author of this post for this awesome content

Entrevista: Renato Ratier fala sobre os projetos futuros e a volta aos grandes festivais – music non stop

Fuzzy Skunk